Minha Filha Diabética

Uma vida mais doce após o diabetes tipo 1!

E essas festinhas de aniversário, hein?

8 Comentários

Desde sempre as pessoas comemoram as mais diversas situações com comida, não tem jeito. Mas de um belo tempo pra cá, essas comidas têm perdido muito a qualidade e aumentado na quantidade.

Ainda tem muita mãe que fica perdida com o filho diabético nas festas. Libera e se arrepende. Proibe e se arrepende. Uma festa, também.No meu caso não é muito diferente. Se eu libero e acerto na contagem, beleza! Se eu libero e erro na contagem, fico chateada, achando que não deveria ter deixado comer tanto.

A questão acho que nem é ter diabetes em si. É COMER AOS MONTES. Será que é tão necessário ter esse monte de comida? Esse monte de coisa de má qualidade? Pra quê? Por que nos permitimos comer tanta porcaria nesses dias? Mesmo sem ter diabetes, será que qualquer criança precisa desse tipo de coisa?

  

Precisa tanto???

Na última festinha que a Vivi foi, semana passada, ela não comeu doces. Porque não teve vontade. Fomos embora antes do bolo o que ajudou muito pra isso mas tinha uma mesa de doces montada desde o inínio. LOTADA de todo tipo de porcaria a base de açúcar que se pode imaginar. Pra quê?

Na saída, receberam duas lembrancinhas. Uma de brinquedinhos e uma só de mais porcarias… e perguntaram: (detalhe, eu nunca digo não em festas!) Mãe, por que as pessoas dão tanto doce pras crianças? Eu respondi que achava que era porque os adultos acreditam que com os doces as crianças ficam mais felizes, as crianças vão gostar mais deles, vão confiar, etc. e por aí foi.

Elas não comeram. Eu que acabei beliscando algumas porcarias tipo dadinho, que é minha perdição em festinha. Porque na minha época ninguém se preocupava com certas coisas, logo.. cresci comilona. Família italiana colaborou pra isso também. FARTURA costuma ser a palavra que reina os almoços e jantares, que hoje eu dia consigo ver como EXAGERO! Enfim…

Esse ano, ontem, mais precisamente, no aniversário de 9 anos da Vivi, optei por não fazer festa. Uma porque minha sobrinha ia nascer nesse mesmo final de semana, como nasceu! E outra porque eu tô meio cansada desse monte de crianças em casa correndo e gritando feito doidos e apesar de comprar poucas coisas que eles gostam, tambem não comiam. Então ela escolheu dois amigos e fomos almoçar num restaurante japonês que ela adora.

Com os avós, a madrinha, o pai, a irmã e os dois melhores amigos!

Caprichei no bolo, quis inventar moda, ele ficou lindo, mas eles não comeram. Não tinha brigadeiro e ninguém sentiu falta. Ninguém pediu nada. Brincaram pra caramba e foram embora exaustas.

Eles não precisam dos doces. Eles não precisam das porcarias. SOMOS NÓS QUE PRECISAMOS. Precisamos comprar, precisamos gastar, precisamos mostrar, precisamos ter, precisamos fotografar, precisamos pra nós…. Porque muitas vezes acabamos nem comendo também… então pergunto PRA QUE??

Meu medidor de vontade de ir às festas é: Tô afim de comer ou não? Porque pra cumprimentar alguém pelo aniversário, não  preciso me juntar a um bando de gente que não conheço… basta ir de encontro a essa pessoa e pronto. Num outro momento, mais tranquilo, onde eu conseguirei conversar e etc.

Na verdade eu escrevi tudo isso pra Carol! Ela aproveitou o aniversário da Vivi pra contar como foram as festas dela a vida toda, já que tem diabetes desde antes de completar 1 ano. 

Carol, você não perdeu naaaada!!! Aproveite agora que as festas de adulto são muito mais legais!

Anúncios

8 pensamentos sobre “E essas festinhas de aniversário, hein?

  1. Oi Nicole, boa tarde! Caramba, você pensa exatamente como eu! Primeiro passamos por momentos muito difíceis e eu nao tinha condiçoes de fazer festa, depois ela (minha filha diabética) e meu filhote nao quiseram mais saber de festinhas, com bolo e aquele monte de doces, queriam sim reunir alguns amigos e comer pizza no shopping SEM OS PAIS… rsrsrs. Isto bem antes do diagnóstico da Carol que foi no carnaval deste ano. Entao eu dizia que poderia chamar dois amigos por minha conta e mais 02 amigos por conta do pai deles (somos separados) e tudo ficava perfeito, principalmente sem aquele terrível “fim de festa”. Em junho ela completou 12 anos, primeiro aniversario depois do diagnóstico. Foi igual, pizza com as amigas mas ela preferiu em casa mesmo. Ela nao quis bolo e nem cantar parabéns…. Mas esta atitude deixo por conta da adolescência…. difícil entender as vezes…
    Bjs

  2. Concordo com vc Nicole,parece que fazer festa pras nossas crianças é uma satisfação pessoal,elas nem tem idade ainda,pelo menos a Marcela, pra se preocupar com essas coisas.Pra elas o simples fato de reunir os amiguinhos já é o suficiente.Hj em dia fazer festas de aniversário virou indústria,essa é a verdade e os adultos querem cada vez mais mostrar pros outros adultos que podem mais…talvez pelo fato de não terem tido isso na infância ou pelo exibicionismo característico de nossa sociedade!Todo ano comemoramos o niver da Marcela,de forma bem simples só com a família e alguns amiguinhos…só mesmo pra não passar em branco!
    Bj

    • É complicado.
      Eu mesma queria ter feito festa em Buffet e essa coisa toda. Tudo mudou após o diabetes. A gente acaba vendo graça em coisas muito mais simples e verdadeiras!!

      Mas eu sempre vou nas festinhas em buffet, pra elas socializarem. Pq tb não é justo todos os colegas irem e elas não, né!!

  3. Você tem razão Nicole, realmente não precisamos desses momentos… dizem que somos aquilo que comemos, né!!! Confesso que hoje faço isso tudo para minha filha: buffet, docinhos, todas guloseimas que crianças adoram, talvez por querer que ela aproveite tudo que não aproveitei, mas de forma super errada!!! Você me levou a pensar que não precisamos desses momentos de falso prazer, mas necessários… Prometo ponderar nos próximos aniversários da Bella e tentarei faze-los de forma lúdica e mais saudáveis!!! kkkkkkkkkk 😉

  4. O Alê adorou estar lá com a Vivi e o fato da festa ser diferente! Concordo que não é necessário montar uma parafernália absurda e por isso mesmo normalmente sou vista como uma pessoa que não gosta de receber… na verdade não quero que receber alguém seja um problema, até porque, quando vou a uma festa ou na casa de alguém, vou para ver a pessoa e não para comer.
    Parece que intimamente todos guardam uma necessidade enorme de se sobressair, mas desde quando uma festa mostra quem você é?
    Mas mudanças culturais são lentas e vão acontecendo, pouco a pouco, a partir também da educação que damos aos nossos filhos!

  5. Oiiii Parabens pelo seu blog!!!! Eu amei !!! Semana que vem e’ o aniversa’rio da minha mamae ,que eh diabetica e queria fzer um bolinho ou algo especialmente pra ela!!! E vai ser surpresa, eh claro!!!!!Eu estava procurando receitas e achei seu blog!!! Ja virei fa!!!! Desculpe a pontuacao, mas nao consegui configurar ainda meu teclado rsss

  6. Nicole, to meio confusa. Também, acabei de descobrir isso e ta tudo uma confusão mesmo, mas eu sinto sim a necessidade e a vontade de comer doce, e comer muito. Na verdade, o problema pra mim não é nem eu nao pode comer, e a quantidade que eu posso comer. Amo as coisas diets, mas ninguém deixa eu comer mais de 4 biscoitos. Minha glicemia é sempre muito alta, 150 pra cima, e isso deixa todos a minha volta com medo, menos eu. Acho que estou sendo meio descuidada sim, mas vai ser assim sempre? Eu choro quando vejo as outras pessoas comendo, e na maioria das vezes minha taxa glicêmica da bem elevada… Isso é so no inicio ou vai tudo melhorar?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s