Minha Filha Diabética

Uma vida mais doce após o diabetes tipo 1!

Diabetes e depressão

15 Comentários

Eu sigo no twitter um rapaz cujo ‘apelido’ é GoigA. Ele tem 18 anos e tem diabetes desde os 4. E nesses últimos dias ele vem reclamando muito de ‘ser diabético’ e eu fiquei curiosa em saber o porquê de tanta reclamação, o que ele tava sentindo, pensando, me ofereci pra conversar com ele (tentando ajudar e saber mais do adolescente diabético) e pedi pra que ele escrevesse algo pra mim, sobre a vida dele, sobre o que o incomodava, enfim. E pra minha surpresa ele escreveu. E… eu fiquei comovida sim. Com meu blog eu tento sempre passar uma ideia POSITIVA, alegre do Diabetes mesmo sabendo que diversas vezes, não é essa a sensação que temos dentro de nós.

Ao ler o depoimento dele, pude perceber (desculpa GoigA, vou falar do que senti ao ler você e me corrija se eu estiver errada) um graaande medo das (eventuais) complicações do Diabetes, principalmente por pensar que de nada adianta se cuidar se provavelmente terá uma das complicações. E eu entendi perfeitamente. Quando começamos a ler sobre a doença, nos deparamos com diversos artigos sobre todas as complicações que o diabético pode vir a ter em decorrência da doença NÃO CONTROLADA. Não é isso? E aí eu fiquei aqui pensando… as pessoas que apresentam essas complicações HOJE são portadoras de diabetes há quantos anos? Será que durante tanto tempo elas puderam aproveitar o enorme avanço da medicina com relação aos medicamentos, dietas, produtos diet, técnicas alternativas, etc…etc…etc…??? Será que todas essas pessoas se empenharam no controle da sua doença? Se preocuparam de verdade com sua saúde e apesar de todos os cuidados elas AINDA sofreram as complicações?? Eu acho que não. Acho que quem tem complicação não se cuidou como deveria. E você, se mantendo entre 100mg/dl e 180mg/dl, como você mesmo disse que está, duvido que venha a perder um órgão. Seu esforço vale a pena SIM !! Daqui 30 anos você me conta ! hahaha

Vejam a quantidade de diabéticos que não aderem ao tratamento. Que não mantém os controles nos limites desejados. E pode ter certeza que as futuras complicações se darão nessa faixa da população. Todos os artigos são do GAAD !!

Estudo epidemiológico: Diabetes é uma das principais causas de morte

Maioria dos diabéticos ignora as injeções de insulina, diz estudo

Pesquisa: 75% dos diabéticos não têm a doença sob controle

50% dos diabéticos não atingem o nível desejado de glicose

Sobre a depressão, nosso amigo acha que passa por uma depressão diabética, fiz uma pesquisa no GAAD e peguei todos os artigos que falam sobre o assunto. Vale a pena ler. E TOMAR UMA ATITUDE, caso se encaixe numa depressão…. Pra mim, NICOLE, que faço terapia há anos, te digo com convicção que falar sobre o assunto AJUDA MUUUUITO. Esse assunto e todos os outros que possam nos afligir. Não curte a ideia de psicólogo, psiquiatra, nenhum desses profissionais, tudo bem… comece com alguém que tem as mesmas questões que você. Pessoas mais velhas que já passaram por isso, que entenderão TUDINHO que você sente. E depois me conta, tá?!

Complicações do diabetes são mais comuns em pacientes com depressão

Estudo associa depressão a pior adesão ao tratamento contra o diabetes

Síndrome metabólica propicia desenvolvimento de depressão

O diabético está mais sujeito a mudanças de humor e à ocorrência de problemas emocionais

ESPECIAL DE DOMINGO: A emoção e o sentimento de pacientes diabéticos

Anúncios

15 pensamentos sobre “Diabetes e depressão

  1. É complicado imaginar como será a relação do Gui com o diabetes quando ele tiver 19 anos, com 14 anos de doença…tudo que estou pesquisando e lendo, é para que ele tenha apoio nesse desenvolvimento dele, mas vai depender muito dele também. Acredito, assim como vc Ni, que as condições hoje são diferentes, mas a desinformação dos não diabéticos é enorme. Esses relatos de escola me assustam, mas depende de nós como vamos encarar as coisas e fazer a diferença no meio que convivemos….FORÇA SEMPRE!!! bjos

  2. É exatamente isso que eu penso. Temos que estar muito bem informados e bem dispostos pra enfrentar essas situações de desinformação de uma maneira construtiva e aproveitar sempre que possível pra educar essas pessoas sobre o diabetes.

    Nós já fomos assim, não sabíamos NADA antes, não é? Então o lance é informar, informar e informar….

  3. Com certeza o que ajuda e muito é falar sobre a doença com alguém que saiba acolher, ter carinho, respeitar os medos e dilemas que este “problema” nos trás. Por muito tempo foi difícil para mim aceitar minha condição de diabética, e somente ao lado de alguém que soube olhar para mim como alguém “normal” com suas limitações é que foi possível querer me cuidar mais. Hoje sei da importância do cuidado com os índices glicêmicos, hoje leio mais sobre o assunto e com certeza, é bom demais poder “ajudar” pessoas com o mesmo problema. Lindo ver em você esta pessoa guerreira e tão disponível a lidar com a diabete, e não somente no seu meio, mas no campo que nos cerca!
    Feliz Páscoa para vc e sua família e para este rapaz que luta como nós!

    • Obrigada Elisa, Boa Páscoa pra vocês também!! E que daqui pra frente você não precise de alguém pra se cuidar melhor. E isso parta de você e pra você sem depender de mais ninguém!! Combinado?!?!

  4. Nic eu tinha muito medo das complicacoes ,mais a minha medica me tranquiliza em relacao a isso ,me dizendo que eu uso o que ha de melhor em tecnologia no tratamento ,se eu manter as taxas glicemicas controladas ,vou viver normalmente ,bem mais o medo vou confessar fica sim ,nao tem como nao pensar ,ainda mais depois da cetoacidose , que eu jamais pensei que teria ,para alguns parece que eu tenho fixacao por diabetes ,quer saber eu TENHO SIM ,e oitenta por cento dos meus assuntos ,EH SIM ,porque eu quero saber quero aprender ,quero me cuidar sempre .Hoje ao acordar o “sapulha ” ja do meu ladinho com tudo preparadinho ,tirei meu jejum e o piiiii do sapulha e um escandalo ,o RE nao me falou bom dia ,disse quanto deu o jejum e eu 124 ,ai sim BOM DIA rsrsrs essa e nossa realidade .
    bjim

    • E isso aí Rô, cada um tem um jeito de lidar com o diabetes na própria vida. Eu tb acho que a minha vida terá muuuito diabetes. Penso em fazer psicologia, enfermagem…sei lá.. tenho sentido vontade de ajudar mais gente e de outro jeito, não só pelo blog….

  5. Nicole, sempre fico comovida qdo algum adolescente deixa depoimento no blog. Não era diabética na adolescência. A impressão que tenho é que é a fase mais difícil, tanto para quem já é desde criança quanto para quem descobre nesse período. Por isso, acho bacana vc chamar atenção para o tema. E preparar a Vivi para o futuro, fazendo ela viver e aprender no presente.
    Ficou ótimo! Com muitas referencias.
    Beijos.
    PS. Vi o artigo das suas colaboradoras em um site, mas a fonte do seu blog não é citada. Pelo menos, até aquele momento… Não sei se apessoa citou depois, mas acho essencial e respeitoso citar.

    • Se foi no GAAD fui eu mesma quem postei!! MAs mesmo assim já voltei lá e coloquei meu blog como fonte. Não custa, né. Tem muita coisa lá que eu ADORARIA saber de onde veio mas não tem fonte nenhuma… 😦

  6. Lutar e viver com e apesar desses medos é, acredito eu, um dos maiores desafios para nós, diabéticos. O fato de ser uma doença silenciosa faz com que a gente acredite que ela em nada pode nos prejudicar. Belo engano! O diabetes é traçoeiro sim e pode trazer complicações até para quem faz tem os melhores controles, mas, com certeza, as complicações são mais severas para aqueles que não se cuidam. Experiência própria…

  7. Eu não sei comentar sobre algo sobre mim mesmo, mais agradeço pelo espaço e pelas dicas. Seria legal tu divulgar o bate papo que quero fazer, eu e a nutricionista Marina Munhoz e claro com a sua presença Nicole ^^.

  8. Primeiro eu preciso dar um jeito de ter Skype aqui nesse Ubuntu, e depois conseguir um microfone… mas pode ter certeza que vontade é que não falta. Seria uma experiência muito interessante !!! VOu divulgar sim!

  9. Exemplo a ser seguido


    http://www.diabetes.org.br/conte-sua-historia/1190-rogerio-francisco-correia-de-oliveira
    http://www.portaldiabetes.com.br/conteudocompleto.asp?idconteudo=119
    Faleceu no mes passado, e não foi por causa do diabetes, aos 76 anos.
    Quando o Igor saiu da UTI meu maior desespero era quando pensava em sequelas, foi quando li o depoimento do Drº Rogerio no portal diabetes, e percebi que tudo depende de controle.
    O medicos do Igor são unanimes, tudo depende da familia.
    Depressão é uma doença seria e deve ser tratada.

  10. Nic eu tb queria estudar algo assim tipo nutricao ,me especializar em diabetes de alguma forma ,seria muito bom mesmo.
    bjim

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s